O que é a gamificação na educação?

Pasi Loman
Pasi Loman
Commercial Director - Seppo Brasil
25.11.2019

Você sabia que, segundo a pesquisa Games Brasil 2019, cerca de 60% dos brasileiros jogam algum tipo de game? Com essa tendência, foi criada a gamificação - uma estratégia de aplicação de jogos e tarefas lúdicas em diversos contextos, visando ao engajamento e à interação do público-alvo.


Você sabia que, segundo a pesquisa Games Brasil 2019, cerca de 60% dos brasileiros jogam algum tipo de game? Outros estudos mostram que, no mundo, mais de 1,2 bilhão de pessoas são adeptas a jogos eletrônicos. Com base nessa tendência mundial, foi criada a gamificação – ou gamification, em inglês –, uma estratégia de aplicação de jogos e tarefas lúdicas em diversos contextos, visando ao engajamento e à interação do público-alvo. 

Em especial na área da educação, a gamificação pode ser muito proveitosa: motivação dos alunos, compreensão e fixação do conhecimento, potencialização do aprendizado são algumas das vantagens de introduzir o conceito no processo pedagógico. Essas interações, quando bem aplicadas, também são aliadas no desenvolvimento cognitivo e nas habilidades socioemocionais de crianças e adolescentes. 

Como aplicar gamificação no dia a dia escolar?

  • Definição de objetivos

O primeiro passo é estabelecer uma meta com a gamificação. Para isso, é imprescindível considerar as características dos alunos, como idade, hábitos, rotina e dificuldades de modo geral. A partir disso, é possível criar uma estratégia com objetivos preestabelecidos, como desenvolvimento do senso de colaboração, trabalho em equipe, foco na atuação individual e o escopo das competências e disciplinas que serão trabalhadas.

  • Universo lúdico para despertar o encantamento 

Jogos já são envolventes por si só, mas os elementos lúdicos devem ser bem trabalhados para despertar o interesse dos estudantes. Avatares, cenários, pontuações e premiações devem fazem parte do planejamento de gamificação.  

  • Garantir dinamismo e independência 

Antigamente, o professor era o único detentor do conhecimento, porém, com o avanço da tecnologia da informação, as pessoas têm mais acesso a diversos conteúdos. Nesse cenário, o professor deve atuar como um mediador e incentivar os alunos a pesquisar sobre temas específicos e desenvolver sua autonomia. 

  • Oferecer orientações e suporte

Também é preciso orientar os alunos, informando o roteiro que deve ser cumprido, com regras e mecânicas dos jogos. A partir daí, essa tática despertará a curiosidade e servirá de estímulo para evolução e conquista dos objetivos propostos. O método de definição do ranking e esquema de pontuação também deve ser incluído no processo de gamificação. 

  • Coleta de resultados

Depois das atividades, é importante consultar e dialogar com os alunos participantes sobre a tarefa. É o momento ideal para realizar um debate com novas ideias e quais os resultados atingidos com os jogos propostos. Dessa forma, eles se sentirão peça indispensável da atividade, o que trará sensação de pertencimento e motivação. 

De acordo com uma pesquisa recente do Banco Mundial, um dos principais motivos de evasão escolar de alunos do Ensino Médio é o desinteresse. Além disso, especialistas afirmam que o atual modelo de ensino, com quadro negro e carteiras enfileiradas usado há mais de um século, já é considerado obsoleto. Por isso mesmo que tendências inovadoras – como a gamificação na educação – são apostas para os próximos anos. 

Quer saber mais sobre gamificação na educação? Acesse o blog da Seppo e fique atualizado.